Presidente do TJ/AL discute data-base com representantes dos servidores

O presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), Otávio Praxedes, esteve reunido nesta quarta (12), com dirigentes dos sindicatos que representam os servidores do Judiciário para discutir a questão da data-base de 2017. A proposta apresentada foi de 6,29%, o mesmo reajuste anunciado pelo Governo do Estado.

    Desse total, 3,15% seriam dados a partir da aprovação da lei, sendo o índice retroativo a janeiro. Os outros 3,14% viriam em dezembro. “Não tenham dúvida de que a Presidência reconhece o trabalho dos servidores como fundamental para o Poder Judiciário”, afirmou Otávio Praxedes durante encontro com os dirigentes.

    Participaram da reunião representantes do Sindicato dos Oficiais de Justiça de Alagoas (Sindojus), do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário de Alagoas (Serjal) e da Associação dos Escrivães do Estado de Alagoas (Aeja).

    “A gente vê o trabalho que o desembargador Praxedes tem feito e entendemos o momento atual. Esses 6,29% representam a reposição do índice inflacionário. Vamos levar a proposta e esperar que as categorias decidam”, afirmou Cícero Filho, presidente do Sindojus.

    A escrivã Cleonice Silveira, da Aeja, também destacou o empenho da Presidência em assegurar os direitos dos servidores. “Nós reconhecemos o trabalho do presidente e de toda a equipe. Que essa atenção aos servidores seja sempre mantida”, ressaltou.
PCCR

    Os vetos do governador a alguns artigos do Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração dos Servidores (PCCR) também foram discutidos na reunião. O TJ/AL finalizou estudo jurídico e vai apresentá-lo à Assembleia Legislativa, solicitando a derrubada desses vetos, que incidem sobre os auxílios alimentação e saúde.

    “A Procuradoria do Tribunal entende que os vetos do governador não prejudicaram a aplicabilidade do sistema legislativo que temos sobre esse assunto. A orientação, portanto, é para a manutenção do pagamento desses reajustes aos servidores”, explicou o procurador-geral do TJ/AL, Filipe Lôbo.

13/07/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *